Bem-estar Nutri_vvv

Publicado em 14/04/2017 | por Alessandra Paula Nunes

0

Você consome FODMAPs?

Não! O termo nada a tem a ver com fast foods, mas o consumo de alimentos ricos em FODMAPs podem trazer muitos desconfortos ao organismo. Atenção! A maioria desses alimentos são considerados saudáveis.

Os FODMAPs é um acrônimo para definir um conjunto de carboidratos presentes nos alimentos: Oligossacarídeos fermentáveis, Dissacarídeos, Monossacarídeos e Polióis. São carboidratos não digeridos pelo trato digestivo humano, geralmente com alta osmolaridade ou que contém substratos rapidamente fermentados por micro-organismos intestinais. Alimentos com alta osmolaridade atraem muita água para o intestino e podem causar diarreias, e os substratos que são rapidamente fermentados pelas bactérias podem provocar gases e causar desconfortos como distensão abdominal e cólicas abdominais. Todos esses sintomas são comuns em pessoas com Síndrome do Intestino Irritável (SII).

A maneira mais simples de evitar esses sintomas é excluir os alimentos ricos em FODMAPs da dieta, que deve ser prescrita e acompanhada por nutricionistas. Esse acompanhamento é preciso, pois na maioria das vezes é necessária a exclusão de muitos alimentos, o que pode levar à deficiências nutricionais. Além disso, os alimentos ricos em FODMAPs são retirados temporariamente da alimentação, não podendo ultrapassar oito semanas, pois podem provocar o desequilíbrio da flora intestinal e ocasionar a obstipação intestinal. Após esse período, esses alimentos são reintroduzidos na rotina alimentar gradativamente, sempre em pequenas quantidades, para possibilitar a descoberta dos responsáveis pela sintomatologia. No entanto, alguns indivíduos não apresentam melhora dos sintomas, necessitando da avaliação de outras possíveis causas.

A lista de alimentos ricos em FODMAPs é extensa. Abaixo alguns exemplos de alimentos consumidos comumente pela maioria das pessoas:

Oligossacarídeos Fermentáveis (As iniciais FO da palavra FODMAPs): Incluem os alimentos ricos em Frutooligossacarídeos ( FOS) – presentes em alimentos de origem vegetal, como a cebola, o alho, o tomate, a banana, a cevada, a aveia, o trigo e o mel. Também incluem os alimentos ricos em Galactooligassacarídeos (GOS) –  feijão e outros grãos (lentilha, ervilha, grão de bico).

Dissacarídeos (a letra D da palavra): leites e derivados (principalmente queijos macios, como ricota e cottage), sobremesas à base de leite, cana de açúcar, beterraba.

Monossacarídeos (A letra M da palavra): presente na maioria das frutas e no mel – maçã, manga, melancia, abacate, xarope de frutose.

Polióis (A letra P da palavra): encontrado no Sorbitol, manitol e Xilitol – substitutos do açúcar muito utilizados nos produtos dietéticos, e também presente no abacate, cereja, tangerinas, ameixas.

Fique atento aos alimentos consumidos!

  • Ao primeiro sinal de desconforto intestinal, tente relacionar com os alimentos ingeridos e devagar vá retirando da dieta e observando se existe melhora no quadro.
  • Deixe de consumir o alimento por pelo menos uma semana e depois reintroduza vagarosamente
  • Sempre que consumir algum alimento novo, observe como foi a tolerância.

Deve-se salientar que para mais ou menos 70% dos casos a dieta com exclusão de FODMAPs funciona, mas é bem provável que a pessoa tenha que seguir algumas restrições alimentares por toda a vida. As bebidas alcoólicas também devem ser evitadas nesse período. Busque sempre o auxílio de profissionais antes de adotar qualquer mudança na alimentação.

Tags: , , , ,


Sobre o autor

Alessandra Paula Nunes

Nutricionista clínica e esportiva (a nutri dos esportes de combate!). Mãe do João e esposa do cubano Paco Garcia, a lenda do boxe brasileiro! Adoro livros (ler e escrever), viajar, trabalhar e não fazer nada de vez em nunca. Sou ligada no 220 e fã do bom uso das redes sociais. Ah, e meus pacientes me amam!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar para o Topo ↑