Cultura Curta

Publicado em 13/10/2017 | por Krishna Shinno

0

Mãe!

Olha, dessa vez o Curta com Pipoca foi pego de surpresa. Mãe (Mother!)  foi um filme que dividiu opiniões e sem dúvida Darren Aronofsky foi além do que imaginamos. Trata-se de um suspense psicológico  e que muitas vezes você pode ou não entender. Mas de qualquer forma vamos ver do que uma mãe é capaz de fazer para proteger o seu lar.

A jovem esposa vivida por Jennifer Lawrence parece tranquila ao lado de seu esposo (Javier Bardem), um escritor renomado que precisa de tranquilidade e inspiração.  Enquanto ele trabalha no seu novo projeto, a jovem começa a cuidar  da casa. Um dia chega um visitante (Ed Harris) que acaba se hospedando lá e trazendo um certo desconforto. O que não se espera é que a relação do casal começa a ser testada quando o visitante deixa de ser um e se torna dois ao trazer a sua esposa (Michelle Pfeiffer). Isso atrapalha a tranquilidade do lar, as coisas começam a ficar fora do controle, e a jovem – que está grávida – vive um pesadelo. Sua casa já não é mais o mesma.

mother-01Vou ser muito honesta com vocês, Mãe é o tipo de filme que não é fácil de comentar. Primeiro porque começa com uma certa frieza tanto nas cores como nos personagens, criando um clima sem vida. Segundo, chega a ser um pouco confuso. A relação do casal é tranquila e o personagem de Jennifer Lawrence parece delicada e sonhadora, por outro lado o personagem de  Javier Bardem é um enigma. Às vezes um apaixonado esposo, outra hora um centro  de egoísmo. Na medida em que os hóspedes inoportunos vão chegando e tomado conta até da pia (vocês vão saber do que se trata), a jovem mãe começa a surtar  entre a realidade e a insanidade. Daí você percebe que toda delicadeza vai por água abaixo e surge então uma pessoa desesperada tentando se proteger de tudo e de todos. E por onde anda o seu marido?  Ele é manipulador aos mesmo tempo que a protege. Você não sabe se a ligação com os hospedes é proposital ou ele também é vítima  tanto quanto a sua esposa. Nesse ponto, o filme já toma um rumo muito intenso, são cenas de desespero, violência, sacrifício e devoção. Junta tudo isso além da ótima atuação de Ed Harris e Michelle Pfeiffer, o casal que ninguém gostaria de receber em casa. E o que falar de Javier Bardem, sou suspeita… eu acredito que ele foi perfeito para o papel. Enquanto a atuação de Jennifer Lawrence não deixa a desejar e a cena mais violenta do filme realmente me impressionou. O filme de fato é muito bom, mas vou ressaltar que realmente depende muito do entendimento de cada um. Não espere um filme que relata somente a relação entre mãe e filho, esposa, enfim é muito mais. É  bem profundo. Para quem não sabe, Darren Aronofsky também dirigiu  Noé 2014, Cisne Negro 2010 e Requiem para um Sonho 2000. “Mãe!” é um suspense psicológico sobre amor, devoção e sacrifício. Vale a pena conferir.

O bom da nossa experiência cinematográfica é o lado enriquecedor de expandir a mente e conhecer o olhar de cada diretor. Nem sempre temos a mesma sintonia. Para  os apreciadores da sétima arte  sempre será uma longa jornada e para quem gosta dos filmes de Darren Aronofsky, sem dúvida podem assistir. Uma ótima semana e fiquem em paz!

Tags: , , , , , , , , , , ,


Sobre o autor

Aprecia tudo que esteja culturalmente agregado às emoções, e o cinema faz parte do universo encantador que a transporta para sonhos até transformá-los em história. Compartilha as suas experiências cinéfilas, acompanhada de uma boa dose de reflexão.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar para o Topo ↑