Cultura Curta

Publicado em 03/07/2017 | por Krishna Shinno

0

Frantz

Olá, queridos, o Curta com Pipoca esteve no lançamento do Filme  Frantz a convite da Califórnia filmes. Este belíssimo filme também fez parte do Festival Varilux de Cinema Francês 2017 onde tivemos a honra de participar. Por que alguns nomes se tornam tão marcantes para algumas pessoas? Qual foi a lembrança enigmatica que Frantz deixou  na vida de um francês? Vamos buscar respostas  juntos!

Em uma pequena cidade alemã após a primeira Guerra Mundial, Anna (Paula Beer) visita diariamente o túmulo de seu noivo Frantz (Anton Von Lucke), morto em combate na França. Um dia ela percebe um jovem francês, Adrien Rivoire (Pierre Niney), que também deixa flores no túmulo. A presença dele logo desperta a sua curiosidade e Anna, que ainda mora com os pais de Frantz – que a tratam como filha -, comenta sobre o rapaz com a sogra. Um dia o jovem misterioso marca uma consulta médica com o pai de Frantz, médico que se recusa a atendê-lo. Intrigada, a mãe de Frantz pede para Anna convidar o jovem para visitá-los. Aos poucos a família vai criando um vínculo afetivo com Adrien, que conta como conheceu Frantz e como era a sua relação com ele. Quando tudo parece tomar um rumo, Adrien revela algo perturbador para Anna, que agora tem nas mãos decisões que envolvem consequências. Mas qual será a melhor forma de contornar a situação? Anna terá que buscar respostas para seu coração, afinal Adrien decide voltar para sua vida na França e o vazio voltará. frantz-01-01

Direção de François Ozon, fascinado por cinema desde a infância, o cineasta iniciou a sua carreira ainda adolescente ao filmar seus familiares com uma câmera super 8. Frantz, por sua vez, é uma adaptação do filme Não Matarás de 1932, dirigido por Ernst Lubitsch, indicado ao prêmio César 2017 em nove categorias. Frantz também recebeu várias indicações como melhor ator, melhor diretor, melhor atriz revelação, melhor roteiro, direção e arte, melhor filme etc. O último filme de Ozon, L’amant Double acaba de ser exibido no festival de Cannes e criou muita expectativa. Ozon não hesita em tratar de temáticas complexas e seus  filmes muitas vezes evocam a manipulação e a estranheza. Mas particularmente eu achei incrível, intenso e ao mesmo tempo sútil. Um detalhe que me encantou é que o filme é preto e branco (lindo de assistir no cinema), e em algumas situações ele se torna colorido. Outro detalhe é que o tempo todo você acaba imaginado uma situação, mas na medida em que a história vai desenrolando, te pega de surpresa (gosto disso). Os sentimentos mudam e as emoções ficam à flor da pele. Simplesmente assistam!

Bom, amigos, essa dica me encantou, pois nunca havia assistido um filme completamente em preto e branco no cinema. Achei belíssimo e recomendo a experiência. Curiosamente com toque de nostalgia, eu me lembro de uma televisão em preto e branco que tinha no meu quarto entre a infância e a adolescência. Confesso que foi através dela que iniciou a minha paixão por filmes, assistindo o Corujão, Sessão Coruja ou Coruja Colorida (isso mesmo!). Claro que vocês vão perguntar de que século eu sou, mas realmente eu tinha uma televisão preto e branco da década de 70. Lamento não lembrar que fim levou a televisãozinha. Hoje esta tudo muito prático,  moderno e o cinema é 3D, 4D e sei lá mais o que pode vir. Uma ótima semana e fiquem  em paz!

Tags: , , , , , , , , ,


Sobre o autor

Aprecio tudo que esteja culturalmente agregado as nossas emoções, e o cinema faz parte do universo encantador que nos transporta para sonhos até transformá-los em história. Compartilho minhas experiências cinefílas com a sétima arte, acompanhada com uma boa dose de reflexão.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar para o Topo ↑