Comportamento coach comigo logo-01

Publicado em 17/08/2016 | por Vanessa Cosentino

0

É preciso ter FÉ!

Quando pensei em escrever esse texto me vi presa em um paradigma. Como uma coach, que busca pautar as ações de seus clientes em análises racionais, que tenta fazer uma avaliação 360º graus de possíveis cenários, pode propor que é preciso te fé?

Pesquisando sobre o assunto, encontrei estudos de neurociência que comprovam que a religiosidade (quaisquer que sejam as crenças) promove mudanças hormonais, atua nos sistemas imunológico e nervoso, diminuindo batimentos cardíacos, pressão sanguínea e estresse. Ou seja, exercitar a espiritualidade faz bem à saúde.

E no universo profissional como isso se aplicaria? Recorrendo ao dicionário, um dos significados da fé é uma crença absoluta em alguém ou algo.

Portanto, ao fazer todas as avaliações de riscos, aspectos financeiros, análises quanto ao seu perfil, seu potencial, oscilações do mercado, concorrentes e projeções do futuro, ao final é preciso uma crença inabalável no seu projeto/objetivo. A frase, atribuída a Jorge Paulo Lemann, que diz: “Prefiro ser otimista, não conheço muitos pessimistas bem-sucedidos”, pode nos dar mais pistas de quão importante é ter fé em algo maior, em você ou em sua ideia.

O que seria um otimista senão uma pessoa que acredita fortemente que as coisas transcorrerão ao seu favor? A fé pode ser o ingrediente principal para um empreendedor perseverar em um momento de instabilidade econômica. Pode ser o elemento crucial que fará com que um profissional levante-se da cama todos os dias para enfrentar um emprego tóxico, acreditando que seu esforço valerá a pena.

Li certa vez que a atriz Sabrina Sato acredita que todos gostam dela quando chega a algum lugar. E é inquestionável o seu carisma e o sucesso que ela vem alcançando desde que apareceu na TV no programa Big Brother.

Crença em si mesmo pode ser a diferença entre continuar um projeto ou encerrá-lo. Thomas Edison precisou criar mais de 1000 protótipos até inventar a lâmpada como a conhecemos. E a cada falha ele acreditava estar mais perto do modelo perfeito.A neurociência tentou provar que existe uma área no cérebro responsável pela fé, assim como temos as responsáveis pelas emoções, porém não obteve confirmações dessa hipótese. Conseguiu provar com êxito que acreditar faz bem.

E com o relato de alguém que já foi descrente, posso dizer que viver sem acreditar em nada é muito doloroso. Achar que a vida é feita apenas de acasos e probabilidade pode ser devastador para o seu futuro. Por que eu deveria dedicar-me ao meu sonho se tenho no máximo 50% de possibilidade dele dar certo? Ter fé significa elevar minhas chances a quase 100%. E nesse cenário, vale a pena tentar.

Recuperei a fé porque fiz as pazes comigo, entendi qual era o meu propósito, parei de reclamar e comecei a agradecer. Uma tríade que vem sido reforçada entre diversos profissionais que atuam na área do desenvolvimento humano é: perdão, missão e gratidão.

Não me arriscaria a dizer que essa é a receita da fé. Até porque não acredito em soluções padronizadas, já que cada indivíduo é único, mas vejo um denominador comum entre as pessoas que conquistam seus objetivos, elas simplesmente acreditam!

Se você já planejou, pesquisou, ponderou e ainda não conseguiu entrar em ação, talvez falte fé. Busque-a dentro de você, ou fora, na natureza, na religião… Inclua-a no seu projeto de vida. Com certeza, ela será a força motriz que está lhe faltando.

Acredite e seja mais!

Tags: , , , , , ,


Sobre o autor

Coach de carreira. Formada e Certificada pela Sociedade Brasileira de Coaching, vem se dedicando a orientar profissionais a reencontrarem a paixão em sua carreira e conquistarem mais realização e qualidade de vida. Não vive sem cinema e música. E recarrega as baterias na prática de Yoga.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar para o Topo ↑