Cultura Curta

Publicado em 01/09/2017 | por Krishna Shinno

0

Como Nossos Pais

Olá, queridos, dessa vez o Curta com Pipoca esteve presente na cabine e coletiva de imprensa do filme Como Nossos Pais de Laís Bodanzky, a mesma que dirigiu o Bicho de Sete Cabeças. Nessa emocionante história que revela o cotidiano da mulher, os seus conflitos interiores e revelações, nós iremos questionar como lidar com tudo e todos à nossa volta. Então, vamos!?

Rosa (Maria Ribeiro) é uma mulher que quer ser perfeita em todas as suas obrigações: como profissional, mãe, filha, esposa e amante. Quanto mais tenta acertar, mais tem a sensação de estar errando. Filha de intelectuais dos anos 70 e mãe de duas meninas pré-adolescentes, ela se vê pressionada pelas duas gerações que exigem que ela seja engajada, moderna e onipresente, uma super mulher sem falhas nem vontades próprias. Rosa se vê submergindo em culpa e fracassos, até que durante um almoço de domingo recebe uma notícia bombástica de sua mãe (Clarisse Abujamra). A partir desse episódio, Rosa inicia uma redescoberta de si mesma. Casada com Dado (Paulo Vilhena), Rosa começa a perceber que precisa tomar as rédeas de sua vida. As suas inseguranças após a revelação pode desencadear reviravoltas e algumas feridas, mas nada que a faça desistir, principalmente quando outra revelação sobre a sua mãe lhe tira o chão. comonossospais-01

A renomada diretora de cinema Laís Bodanzky recebeu mais de 90 prêmios nacionais e internacionais. Seu primeiro longa-metragem, o aclamado Bicho de Sete Cabeças, participou da Seleção Oficial de Toronto e Locarno, e venceu o prêmio de Melhor Filme em Biarritz, entre outros 45 prêmios nacionais e internacionais. Seu segundo longa, Chega de Saudade (co-produção com o Canal ARTE da França) venceu o Melhor Filme no Festival Tous Écrans em Genebra e outros 20 prêmios no Brasil e no exterior. A estreia de seu terceiro filme, As Melhores Coisas do Mundo, aconteceu no Festival de Cinema de Roma. O filme ainda venceu como Melhor Filme no FICI Madrid e levou outros 18 prêmios em festivais no mundo todo. Em 26 de agosto de 2017 durante o 45º Festival de Cinema de Gramado, o longa foi o grande vencedor, levando seis prêmios: Filme, Direção, Atriz para Maria Ribeiro, Ator para Paulo Vilhena, Atriz Coadjuvante para Clarisse Abujamra e Montagem para Rodrigo Menecucci. O roteiro é também assinado por Luiz Bolognesi e o elenco traz ainda Herson Capri, Felipe Rocha, Jorge MautnerSophia Valverde e Annalara Prates. Dessa vez, Laís Bodanzky trouxe o universo feminino com tudo o que tem direito. Quem assistir, com certeza, vai se identificar com Rosa. Talvez a relação entre mãe e filha, pai e filha, mães de filhas pré-adolescentes, marido, irmãos, segredo revelados e até traições. Tudo isso no mundo de Rosa. O filme traz de fato essa característica bem da mulher atual e me identifiquei com algumas partes emocionantes, principalmente quando se trata de nossos pais. Tem uma cena muito bonita de Clarice, mãe de Rosa, tocando no piano Como Nossos Pais, e a relação do pai, interpretado por Jorge Mautner, é de comover. Ah não posso falar muito, embora eu gostaria. Então aproveitem e vão assistir, eu recomendo!

Queridos, mais uma dica do nosso querido cinema nacional, é um filme muito bonito repleto do feminino. Já está nos cinemas! Tenho certeza que sairá questionando pontos ou transformando-os em uma reflexão mais profunda. O cinema tem disso. Uma ótima semana e fiquem em paz!

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,


Sobre o autor

Aprecia tudo que esteja culturalmente agregado às emoções, e o cinema faz parte do universo encantador que a transporta para sonhos até transformá-los em história. Compartilha as suas experiências cinéfilas, acompanhada de uma boa dose de reflexão.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar para o Topo ↑