Bem-estar Nutri_vvv

Publicado em 19/05/2017 | por Alessandra Paula Nunes

0

Alimentação e depressão

Considerada hoje o mal do século, a depressão acomete indivíduos de todas as idades. As alterações químicas que ocorrem no cérebro, principalmente relacionadas aos neurotransmissores serotonina e dopamina, fazem com que o indivíduo depressivo perca a cada dia a vontade de se relacionar, de trabalhar e em alguns casos, de viver.

Alguns dos sintomas de depressão são: tristeza (em alguns casos alternância de irritabilidade), ansiedade, angústia, desânimo, cansaço extremo, diminuição ou incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades que antes eram consideradas agradáveis, desinteresse, falta de motivação, apatia, falta de desejo sexual entre outros.

O tratamento deve abranger dimensões biológicas, psicológicas e sociais, além de mudanças no estilo de vida e a terapia farmacológica. Melhor do que tratar a depressão, é tentar impedir que ela se instale.

Para evitá-la e afastar alguns sintomas já instalados, podemos contar com o auxílio de alguns alimentos que contêm propriedades diferenciadas. Alguns deles são:

  • Leite e iogurte – fontes de triptofano, aminoácido que ajuda no combate da depressão e melhora o humor, por aumentar a produção do neurotransmissor serotonina, que está associado ao humor.
  • Mel– O mel é uma boa alternativa de alimento para ajudar a combater a depressão, por estimular a produção da serotonina.
  • Melancia – É rica em tirosina, aminoácido que é convertido no neurotransmissor dopamina, que tem ação estimulante no sistema nervoso e está ligado a sensações de prazer e bem-estar.
  • Carnes Magras e Peixes – Alimentos ricos em triptofano e dessa forma contribuem aumentando a produção de serotonina pelo organismo. Além disso, os peixes são fontes de ômega 3, gordura poli-insaturada que estimula a síntese de dopamina, neurotransmissor indispensável.
  • Castanha do Brasil Fonte de selênio, acelera a atividade cerebral afastando a depressão. Além disso é um poderoso antioxidante, que combate os radicais livres e evita o envelhecimento celular precoce.
  • Chocolate amargo – Estimula a síntese e liberação de serotonina e endorfina, melhorando o humor e proporcionando sensação de bem-estar.
  • Aveia e Banana – Também são ricas em triptofano (a dupla banana com aveia é infalível)
  • Brócolis – É um alimento fonte de ácido fólico, o qual está associado no aumento da dopamina pelo corpo.

Para que os alimentos citados tenham o efeito esperado, é necessário incluí-los frequentemente no cardápio, e evitar o consumo de açúcares refinados e gorduras saturadas (como as provenientes das carnes vermelhas, queijos amarelos, leites integrais).

Atenção! A ingestão desses alimentos não substitui outros tratamentos recomendados, como terapia e tratamento medicamentoso, sendo apenas aliados para melhora e prevenção do quadro.

Tags: , , , ,


Sobre o autor

Alessandra Paula Nunes

Nutricionista clínica e esportiva (a nutri dos esportes de combate!). Mãe do João e esposa do cubano Paco Garcia, a lenda do boxe brasileiro! Adoro livros (ler e escrever), viajar, trabalhar e não fazer nada de vez em nunca. Sou ligada no 220 e fã do bom uso das redes sociais. Ah, e meus pacientes me amam!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar para o Topo ↑